6 – CONCLUSÃO

Pensemos mais profundamente na percepção deste Deus Criador em conexão com Seu amorável Plano de Redenção, e em como essa percepção deve e pode afetar nossa vida.

Da mesma maneira, pensemos sobre qual deve ser o nosso papel a ser desempenhado na pregação da mensagem sobre esse Deus Criador nestes tempos em que vivemos, ao sobrevir a avassaladora onda evolucionista e materialista contrapondo-se à revelação dada por Deus desde o início para os seres humanos que Ele mesmo criou, mas que no decorrer do tempo cada vez mais a corromperam e degradaram.

Termino, destacando o pensamento poético de Paulo, que se encontra em seu “Hino de Adoração” apresentado em Romanos 11:33-36, sobre este Deus Criador:

Ó profundidade da riqueza, tanto da sabedoria como do conhecimento de Deus!

Quão insondáveis são os Seus juízos, e quão inescrutáveis os Seus caminhos!

Quem, pois, conheceu a mente do Senhor?

Ou quem foi o Seu conselheiro?

Ou quem primeiro deu a Ele para que lhe venha a ser restituído?

Porque dEle, e por meio dEle, e para Ele são todas as coisas.

A Ele, pois, a glória eternamente. Amém.